sábado, 3 de janeiro de 2009

Informativo Mundial das Missões

Livre da Escravidão

Nahob Lliturco

Escravizado pelo próprio irmão até os dez anos, ele lutou pela liberdade e a encontrou em Cristo.

O suor escorria pelo rosto do jovem Nahob e incomodava seus olhos enquanto caminhava rua abaixo descalço, anunciando: “Verduras! Verduras fresquinhas!” Sua voz expressava a infelicidade que ele sentia. Sentia falta da família, dos amigos e da escola.

“Por que meus pais me obrigam a morar com meu irmão?” ele cogitava. “Será que eles sabem que ele não me permite frequentar a escola? Será que sabem que ele me bate se eu não conseguir ganhar dinheiro suficiente?
Será que se preo­­cupam comigo?”

Nahob tinha só 10 anos quando a família o deixou em Palawan com o irmão mais velho. Seu irmão o obrigou a abandonar a escola e trabalhar com ele. Nahob não queria morar em Palawan. Tinha sido deixado ali contra a vontade. Em pouco tempo, o sorriso do irmão se transformou em ameaças, e a realidade apareceu. Nahob não poderia ir à escola. Não poderia voltar para casa. Como escravo, ele era forçado a vender verduras para o irmão. Se não voltasse para casa com a quantia suficiente de dinheiro, o irmão batia nele. Ele pensou em fugir, mas teve medo das ameaças do irmão. Sua vida era sem esperança.

Fugindo da escravidão

Quatro anos se passaram, e Nahob cresceu, cada vez mais robusto e forte sob o peso do trabalho que o irmão o obrigava a fazer. Certo dia, decidiu não mais aceitar a mão de ferro do irmão e fugiu.

Encontrou emprego como cozinheiro assistente em um barco pesqueiro que se dirigia a outra ilha. Ao chegar à ilha, desembarcou e encontrou emprego como servente. Qualquer emprego seria melhor que trabalhar como escravo. A patroa era muito gentil com ele, mas o marido, não. Ela lhe ofereceu quarto e comida, mas as promessas do marido de pagar por seus serviços desapareceram como o orvalho da manhã. Nahob trabalhou para o casal sem pagamento durante um ano até perceber que continuava trabalhando como escravo. Quando decidiu ir embora, o patrão queimou seus pertences. E quando a esposa dele tentou ajudá-lo, o homem bateu em Nahob. Embora sentisse medo, Nahob esperou o momento certo e, então, fugiu.

Encontrou emprego em um barco de pesca e começou a mandar dinheiro para o irmão e outros parentes. Queria que soubessem que ele era uma boa pessoa. Certo dia, decidiu visitar o irmão. Para sua surpresa, o irmão o recebeu cordialmente e lhe mostrou um pedaço de terra que tinha comprado com o dinheiro que Nahob enviara.

Mais traição

Nahob decidiu ficar ali e cultivar a terra que o irmão havia comprado. O irmão deixou que ele guardasse o dinheiro que conseguia na colheita. Finalmente, sentia-se livre! Quando uma tempestade prejudicou a agricultura naquela região, Nahob ajudou os fazendeiros.

Certo dia, ele soube que seu irmão arranjara uma mulher mais velha com quem ele, Nahob, devia se casar. O sentimento de medo voltou. Ele não queria casar com uma moça desconhecida e tentou fugir desse arranjo, mas o irmão o ameaçou. Somente quando ele concordou em casar dentro de três anos, quando completasse vinte anos, o irmão permitiu que começasse a economizar.

Sem avisar, ele deixou a casa do irmão e viajou para outra ilha, onde estabeleceu uma pequena loja para o próprio sustento. Ele ignorou a noiva e, com o passar do tempo, ela desistiu do casamento. Finalmente estava livre – outra vez!

Realizando um antigo sonho

Nahob sentia, de maneira forte, a falta de estudos, especialmente quando as pessoas o importunavam. Decidiu voltar à escola e terminar os estudos que lhe foram negados. Aos 18 anos, matriculou-se na quarta série.

O professor era um senhor adventista que o convidou para frequentar a igreja. A princípio, Nahob recusou, pois trabalhava aos sábados. Mas, finalmente aceitou o convite. Ouviu a lição da Escola Sabatina e sentiu que encontrara algo que fazia sentido. Pediu que o professor estudasse a Bíblia com ele. Por meio de seu professor, conheceu outro professor adventista que lhe sugeriu estudar na Escola Adventista de Ensino Médio de Palawan. Nahob foi aceito nessa escola e começou os estudos no sexto ano.

Na Escola Adventista de Palawan, a vida de Nahob mudou para melhor. Ele foi batizado e encontrou na escola a família que, desde a infância, desejara ter. Eles o ajudaram a ampliar os horizontes e expandir os sonhos. Deram-lhe uma visão do que Deus pode fazer por meio dele. Nahob tornou-se líder espiritual no campus e se reconciliou com o irmão.

Nahob vivia na escravidão, mas agora, tem a verdadeira liberdade em Cristo.

Nossas ofertas missionárias apoiarão um projeto que levará jovens a Cristo e os treinará para a Sua obra. Obrigado pelas ofertas.

* Palawan é uma ilha comprida e estreita, localizada na parte oeste das ilhas que compõem as Filipinas. As montanhas formam a espinha dorsal da ilha, mas ali ninguém fica longe do mar.
* Há duas Escolas Adventistas de Ensino Médio em Palawan. Uma delas está localizada na cidade de Puerto Princesa e outra é a Escola Adventista de Ensino Médio de Palawan, um internato localizado no sul da ilha.
* Parte da oferta do décimo terceiro sábado ajudará na ampliação do internato para incluir aulas técnicas e vocacionais para os alunos que estão completando o ensino médio.

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Início